Didatica Da Midia Educacao

Mídiaeducação no Brasil

Os projetos de mídiaeducação sempre chamam atenção, porque não se pode desprezar a importância dos meios de comunicação na vida cotidiana. Como era de se esperar, as TV Públicas conduzem esse debate na sociedade.

Mídiaeducação para a mídia

Educar para a mídia é colocar a mídia como objeto de estudo. Quem faz a mídia, para que, as instituições, as concessões, os formatos, os canais, os interesses, etc etc.

A cidadania melhora quando cada indivíduo pode trazer contribuições para a coletividade. Ocorre que a sociedade digital ocidental — um mundo essencialmente capitalista –, é boa para fornecer meios e péssima em educar para esses meios. Isto quer dizer pensar em mercado e consumo, e não em usuários e uso consciente.

Para operar fornos, ferros elétricos e dispositivos domésticos sofisticados um manual de instrução resolve. Mas televisão, computador, tablets e smartphones são mais que eletrodomésticos, são janela para a cidadania ativa. Aquelas caixas-pretas têm poder.

Mídiaeducação com a mídia

Uma necessidade da pedagogia moderna é estimular os alunos a fazerem uso eficaz dos multimeios. Isto não quer dizer tecnocentrismo — como se o problema fosse apenas de inclusão digital –, mas um pedagogia por projetos que permita aos aprendentes se apropriarem dos instrumentos enquanto realizam seus projetos. Ou seja, são três níveis de desalienação: digital, pedagógica e cidadã.

Mídiaeducação na mídia

A Constituição Federal determina que a programação da TV brasileira — uma concessão do Estado — deve priorizar programas educativos, artísticos, culturais e informativos. Cita, ainda, que a lei deve garantir proteção contra programas que não cumpram esses objetivos. Como essa lei nunca foi elaborada e votada no Congresso Nacional, a sociedade precisa se organizar para usar criticamente a mídia.

A cláusula pétrea constitucional é uma mídia livre, prevalecendo entre os profissionais (CONAR) a ética da autorregulação. Mas mídia livre não garante qualidade e, já que se transferiu para as famílias o direito (e dever) de regular o acesso dos filhos, é preciso multiplicar a maturidade do povão.

Mídiaeducação no Brasil

Os valores e modelos mentais que circulam na mídia usam lógicas próprias, linguagem própria, representações próprias, e nem sempre são multipolares. Por isso é imperativo “saber ler” a mídia, que vai do explícito ao implícito, do concreto ao abstrato, da palavra à imagem.

O olhar da mídiaeducação é o olhar atento, quase sempre desconfiado, que revela o que as estratégias de comunicação tem de bom, mas também seu seu lado B, os excessos e a falta de noção de que a boa comunicação pública é um direito civil, um valor da cidadania e uma conquista a ser amadurecida em uma sociedade.

A discussão atual em mídiaeducação no Brasil parece apontar para uma nova disciplina no currículo do ensino médio, apesar de que há experiências onde esses conceitos foram introduzidos dentro das disciplinas já existentes.

Fontes
Perfl: Alexandra Bujokas é pós-doutora em mídia educação pela Open University (UK). Nem por isso “fala difícil”, na contramão da ortodoxia acadêmica que costuma encastelar pesquisas e pesquisadores por detrás dos papers científicos.

no Brasil:
Midia como matéria de estudos
Midiaeducação e curriculo escolar – 1a parte [TV Escola, 2013]
Midiaeducação e curriculo escolar – 2a parte [TV Escola, 2013]
Midiaeducação em pauta no Ver TV [TV Brasil, 2015]

no mundo:
Fórum Mundial de Mídia Livre
Mídia educação no mundo
Práticas e políticas públicas de mídia educação

Alexandre Mello

Multitarefas │ digital por formação │ pós-graduado por convicção │ empreendedor social │ autor │ conteudista

Buscar