Endividamento Brasil – dívida boa e ruim

Seis em cada dez brasileiros estão endividados, segundo pesquisa da CNC. Mas será que todo tipo de endividamento é necessariamente ruim ou podemos compreender certas dívidas como “do bem”?

Endividamento da família brasileira

O cartão de crédito continua sendo o vilão do endividamento. Considerando as famílias endividadas em 2015, mais de 70% delas tem dívida no cartão.

principais-tipo-de-divida-jan15

Adaptado da Pesquisa Nacional CNC – Endividamento e Inadimplência do Consumidor

Acontece que a taxa SELIC dobrou nos últimos 2 anos, e os juros da economia estão nas alturas, o que implica que os juros do cartão de crédito e do cheque especial — erroneamente chamado de crédito tapa buraco — normalmente já exorbitantes, chegaram a valores proibitivos.

taxas-de-juros-no-brasil-abr15

Adaptado do Portal G1

Endividamento bom vs ruim

Endividamento ruim são o cheque especial e o rotativo do cartão de crédito — o péssimo hábito de só pagar o mínimo e rolar a dívida para o mês seguinte — que está próximo de 300% ao ano. Isso significa que se você ficar devendo R$300 em uma fatura (a parte à descoberto), no mês seguinte deverá R$336,42 e, ao fim de 1 ano, essa dívida chegará R$1.186,45, mais a tarifa bancária e mais o IOF. Um absurdo, não?

Aquela dívida que não precisava ter sido feita, uma compra por impulso, um gasto sem planejamento, uma aquisição supérflua, é uma dívida ruim. São ruins não só porque bagunçam o orçamento, mas porque não te geram nada em troca, além de prazer efêmero. É claro que quando se tem 15 anos, nada é efêmero. Na verdade, para os adolescentes, o efêmero é tudo, mas isso é assunto para outra ocasião.

Um exemplo típico é o gasto com moradia. Sempre que possível, pense em se livrar do aluguel. Isso não quer dizer que você não deve jamais morar de aluguel, já que há situações onde não há alternativas. Melhor é a prestação da casa própria — o crédito imobiliário — que é uma divida boa, uma vez que, encerrado o financiamento, o imóvel será seu, um bem que você conquistou para si e para sua família.

Na ponta do lápis, por que o aluguel é uma dívida ruim?
1-) é um custo fixo alto, que compromete sua poupança
2-) é uma dívida que nunca acaba, mesmo você pagando por anos
3-) você nunca será o dono do imóvel

Endividamento vs investimento

Quando você se matricula num curso, paga uma escola para seu filho estudar ou adquire um novo computador para trabalhar, mesmo se endividando, isso é uma “dívida boa”, ou “do bem”, porque presume-se que com os estudos e com o trabalho, um novo patamar de renda poderá ser conquistado. Nesses casos, você não está gastando pura e simplesmente, mas investindo no seu futuro e da sua família.

Um gasto é definido por uma despesa sem perspectiva de retorno futuro. Um investimento, por outro lado, traz essa perspectiva de retorno. É por isso que se diz investir na poupança, investir na renda fixa ou no CDB. Não se trata só de ultrapassar a inflação, mas de receber algum juros — retorno futuro — como recompensa do esforço de poupar.

Em síntese: Se você controla o seu perfil de endividamento, aprende a se concentrar nas dívidas boas e a investir no seu futuro, melhora a saúde financeira e foge das compras sem sentido, da ciranda de preços, dos desgovernos e da inflação.


Fontes:
Seis de cada dez famílias brasileiras terminaram 2014 com dívidas, diz CNC, por R7, 13.1.2015
Pesquisa mostra que 75% das famílias endividadas têm débitos no cartão de crédito, por Globonews – Estúdio I, 12.5.2015

Pesquisas / Reports:
Relatório de Estabilidade Financeira, por Banco Central. mar/15
Pesquisa Nacional de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), por CNC, abr/15.

Conversor / Calculadora:
Conversor de taxas de juros  (juros/ao mês –> juros/ao ano)
Calculadora financeira (calcular juros compostos)

Alexandre Mello

Multitarefas │ digital por formação │ pós-graduado por convicção │ empreendedor social │ autor │ conteudista

Buscar