Anime Cultura Japonesa

Animês – indústria de animação do Japão

A maior indústria de animação no mundo está no Japão. Desenho animado chama-se “Animês” no país, por influência da palavra inglesa “animation”.

Animês – nascimento de uma indústria

A produção japonesa milenar de histórias em quadrinhos – os mangás – começa a ser remixada ao fim da segunda guerra mundial, com a ocupação e a influência cultural americana. Desenhos da Disney tornam-se referência instantânea. Os primeiros ensaios de animação surgem na década de 1950.

No Brasil, a série National Kid inaugura (1962) as exibições dos animês, censurada depois pela ditadura. Na década de 1970, tivemos Eight Man, Zoran, Homem de Aço e Speed Racer. Com os anos 1980 e 1990, ainda na TV Manchete, veio a popularização e, na sequência, já na TV a cabo, a diversificação.

Animês – filosofia das narrativas fantasiosas

É claro que a fantasia é uma temática recorrente. Todo o universo cultural lendário, a própria história feudal, as artes marciais, os samurais e os guerreiros tribais se expressam na produção dos animês. É quase como um expurgo, uma catarse. Mas que ninguém se engane, as mocinhas e as criaturas lendárias não são sempre produções infantis.

Ao abordarem valores, a ética do protagonista, a eterna questão do bem e do mal, que são também marcas socioculturais da nação japonesa, dialogam perfeitamente com o universo adulto.

É o caso de Hayao Miyazaki, diretor de “A Princesa Mononoke” (1997) e “A Viagem de Chihiro” (2001). Meu respeito a ele pelas narrativas e pela capacidade de autocrítica. Miyazaki, que acaba de anunciar sua aposentadoria aos 73 anos, chama a atenção para os “otakus”, produtores que passam suas vidas interessados apenas em si mesmos, produzindo animação sem nenhuma base da observação de pessoas de verdade. “Não se pode conceber o que nunca se viu”, critica o diretor.

Animês – referência da cultura japonesa

Hollywood, que há muito consagra à modalidade um Oscar Técnico — o de melhor animação –, está de olho nesse mercado. Por que não o melhor da cultura com o melhor da alta tecnologia? Mas os problemas de tradução e dublagem ainda afetam a distribuição das séries japonesas no Ocidente, chegando a demorar 18 meses, dando margem à pirataria e, consequentemente, desestimulando investimentos.

De qualquer forma, o Japão é uma grande referência quando o assunto é animação.


Fontes: ANMTV, Anima Mundi

Alexandre Mello

digital por formação │ pós-graduado em educação a distância │ curador de acervo audiovisual │ produtor executivo │ documentarista │ autor │ conteudista

Buscar